A nossa aventura

Nasci quando tu nasceste

Sabes filho tudo parece distante. Acreditas que é difícil lembrar-me de como era  a vida antes de ti? Essas memórias de quando éramos só dois a sonhar ser três parecem tão distantes que por vezes torna-se quase impossível de as “ver” com nitidez.

Sinceramente, não me lembro de muitas coisas…

Não me consigo lembrar do que era não sentir o teu cheiro e o teu toque.

Não me lembro de ter o colo vazio.

Talvez seja a dimensão deste amor que transborda e me transforma todos os dias que provoca isso.

Antes de te ver, eu já te amava. Um amor sem dimensão ou comparação. Um amor que crescia todos os dias. A cada pontapé, a cada enjoo, a cada estria.

Mas quando nasces-te… Quando nasces-te percebi que o que sentia era apenas uma sombra do que me farias sentir todos os dias para resto de toda a minha vida. Percebi que iria ser invadida constantemente por uma onda de amor interminável e iria constantemente abalar todas as partes de mim.

Nos dias seguintes percebi que todos os “Eu nunca farei…” ou “Eu farei desta maneira…” ditos ao longo de toda a minha vida a julgar outras mães estavam tão longe e ao mesmo tempo tão perto da minha realidade. Percebi e, todos os dias relembro, que nenhuma de nós independentemente das nossas escolhas está errada, cada uma faz o melhor possível!

Não “morreu” uma parte de mim quando nasceste, mas sem duvida que houve uma metamorfose, uma mudança tão drástica que palavras não chegam para explicar. Naquele momento, nasceu um novo eu. Uma mudança que me custou a aceitar. Que me inundou de duvidas e certezas, de medo e coragem, mas a cima de tudo de amor.

Cresci, mudei, renasci. Virei mãe.

Foste a maior e melhor surpresa da minha vida. Foste o meu sonho tornado realidade. E em momento algum mudaria uma virgula  na nossa história. ♥

Partilhar

Deixe uma resposta