A nossa aventura

“-ites”&Companhia

Acordei com ele a resmungar e instintivamente acarinhei-o ainda com os olhos semi-serrados. Estava a arder. Mais uma “-ite” a caminho. Febre, tosse, ranhoca muito amarela. E a cada sinal o meu coração de mãe vai ficando mais e mais pequenino e apertado. A vontade de puder passar todas as dores e problemas para mim tornam-se cada vez maiores, mas não posso, não consigo. Após este desejo, acho que como a qualquer mãe, o sentimento de culpa toma conta de mim. E começam os “E se…”. “E se eu lhe tivesse vestido mais um casaco ele não tinha apanhado aquela corrente de ar”; “E se eu não lhe tivesse vestido aquele casaco ele não tinha transpirado tanto” e outros tantos que nos passam pela cabeça assim que percebemos que temos o nosso mais que tudo está a ficar doente.

Respiro fundo e lembro-me que nem todos os males do mundo são causados pelas mães e que o mais provável é ser apenas a consequência de uma virose ou algo idêntico, não aliviando em nada o nó no meu coração, mas lembrando-me que não existem mães perfeitas e que dou sempre o melhor de mim ao JM.

Faço figas para que apesar disso, ele esteja bem. Que o sorriso não se apague. Que ele continue a ser o bebé que sempre foi.

E o sorriso não se apagou nem por um momento, a energia continuou no máximo e o apetite sempre presente como já estamos habituados. Riu, brincou, correu, saltou, dançou, leu muitos livros e aprendeu a fazer coisas novas – o piscar de olho é uma gracinha.

Para ele foi um dia em cheio. Cheio de mimos, abraços, beijinhos, carinhos, brincadeiras e tudo mais a que tem direito. Para mim além de tudo isso foi um dia de coração apertado, de termómetro atrás, de ben-u-ron a jeito e de olhos em cima dele.

Agora ele dorme, e eu espero que ele fique bem, que esta “-ite” passe ao lado do meu Pequeno Grande Amor. Para que possa desatar este nó no meu coração.

Até lá resta-me espera, cuidado-lo e ama-lo todos os dias um bocadinho mais, pois ser mãe é isso mesmo: viver com o coração fora do corpo, e saber que todos os dias os amamos mais um bocadinho, mas sempre muito menos do que amaremos no dia seguinte ♥

Partilhar

Deixe uma resposta